Jornais e Revistas

Da porteira para fora (14p) – Jornal Tribuna Liberal – 03/09/2017 – A Gripe Espanhola

Você é político? Vale a pena participar da política?

Estamos por ali, 1918, vamos analisar alguns fatos importantes!

E a gripe espanhola por aqui?

Gripe Espanhola
“Gripe Hespanhola” de 1918

A pandemia desenvolveu-se em três ondas epidêmicas:

-1ª a mais benigna, termina em agosto de 1918;

-2ª inicia-se no outono e termina entre os meses de dezembro de 1918 e janeiro de 1919, tendo sido de extraordinária gravidade, afetando uma grande parte da população e com uma taxa de letalidade de 6% a 8%. Não possuímos dados corretos sobre o número de vítimas, pois o registro de pessoas mortas na Índia e na China são muito questionáveis e precários. Todavia, não se discute que essa estatística ultrapasse os 30 milhões de pessoas.

-3ª começa em fevereiro de 1919 e termina em maio do mesmo ano.

No Brasil a doença chegou em setembro de 1918. No dia 24 daquele mês a Missão Médica enviada pelo país para ajudar no esforço de guerra francês foi atingida pela gripe no Porto Dacar, Senegal, que à época era colônia francesa. No mesmo mês chegou ao País o paquete Demerara, vindo da Europa, e que é apontado por alguns autores como o primeiro navio portador do vírus para dentro do Brasil. Em poucos dias a epidemia irrompeu em diversas cidades: Recife, Salvador e Rio de Janeiro, chegando em novembro de 1918 à Amazônia. Foram registradas em torno de 35.000 mortes relacionadas à epidemia. A doença foi tão severa que vitimou até o Presidente da República, Rodrigues Alves, em 1919.

Você conhece o Jardim Anália Franco?

Anália Franco
Anália Franco

É um bairro nobre paulistano pertencente ao distrito de Vila Formosa. Localizado na Zona Leste da cidade de São Paulo que surgiu no final da década de 60. Pois é, a sra. Anália Franco foi vitima desta peste em 1919, uma personalidade, gente que fez, fundou dezenas de escolas, asilos para crianças, instituição de auxílio à mulher, ou seja, provou que dá para fazer, é uma questão de colocar a mão na massa e parar de reclamar. – Ela escreveu: “Não há vida feliz, individual ou coletiva sem ideal…Anália Franco” – Essa máxima também vale para a PME, ou seja, para o mundo da PME responda à pergunta: Por que minha empresa existe? (Não responda o que ela faz, ou como ela faz, isso pressupõe-se que seja fácil).

A Sra Anália Franco foi normalista, e iniciou sua carreira como professora primária, num dos inúmeros episódios “Graças à ajuda de uma dessas fazendeiras, num bairro de uma cidade no norte do estado de São Paulo obteve uma casa para instalar uma escola primária. Tendo a fazendeira lhe imposto a condição de segregação entre crianças brancas e afrodescendentes para a cessão gratuita do imóvel, a sra. Anália recusou-a terminantemente, passando a pagar um aluguel”. Esta senhora merece que sua vida seja contada em filme, e que os proprietários das PMEs carreguem em suas carteiras uma foto dela, será inspirador.

Sim, nesta época do outro lado do mundo, o Czar russo e seus erros? Vamos lá!

O Czar (rei na URSS) Nicolau II, mesmo antes da I Guerra Mundial, não vinha bem na sua administração, cometeu diversos erros, um deles conhecido como “Domingo Sangrento” em 1905, quando a guarda palaciana dispara contra a população que reivindicava melhores condições sociais e desejava entregar uma simples carta a ele informando que os camponeses passavam fome e acreditavam que o Czar não soubesse. Mudam-se os atores, mas a história é repetitiva em diversos episódios em diversas partes do mundo, os governantes, presidentes, e diretores ignoram a realidade humana, e muitas vezes até as regras de mercado.

O Czar Nicolau II havia cometido muitos erros na sua gestão, um deles a guerra contra o Japão entre 1904 e 1905 envolveu uma Rússia totalmente despreparada na briga pelo território à época controlado pelo Japão – a Manchúria, apanhou feio.  Depois entrou na I Guerra Mundial mais uma vez sem condições técnicas e financeiras, ou seja, teve que ceder aos revolucionários russos do proletariado, nessa onda a Letônia pegou uma carona e conseguiu sua independência. Viva a cidade da RMC – Nova Odessa.

Os reis, e mesmos os dirigentes de PMEs entram em batalhas com muita constância, o que a prinicípio pode ser algo salutar. No entanto, não é aconselhável cometer erros! Para não citar autores recentes vamos buscar Sun Tzu em Arte da Guerra, século IV a.C., “Em realidade, o que Sun Tzu nos ensina é que quase todas as batalhas já estão ganhas ou perdidas antes mesmo de haverem se iniciado. É precisamente o conhecimento das inúmeras variáveis envolvidas na guerra que faz os vencedores e os perdedores”.

Os erros cometidos por nossos dirigentes é mergulhar de cabeça nas batalhas, sem antes dar um passo atrás para avaliar suas chances de sucesso, e muitos executam planos de acordo com o que pensam, sem consultar e analisar o ambiente e tendências a sua volta. Muitos, historicamente, são violentos, seja comandando países democratas ou comunistas, seja, pilotando empresas. O sr. Sun Tzu era defensor do Taoísmo, ele escreveu: “Quando os homens recorrem à força excessiva, quando são violentos, eles logo envelhecem. Pois a violência se opõe ao Tao, e tudo o que se opõe ao Tao morre prematuramente”. Inclua aqui as empresas.

Mas, por que houve a I Guerra Mundial, em um parágrafo?

Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial

Quando é assassinado Francisco Fernando Carlos Luís José Maria de Áustria, ele era um arquiduque da Áustria, chefe do ramo cadete de Áustria-Este e herdeiro presuntivo do trono do Império Austro-Húngaro, Assassinato: 28 de junho de 1914 em Sarajevo, Bósnia.

O império austro-húngaro nada satisfeito com o assassinato de seu arquiduque declara guerra contra a Sérvia. Mas, a Sérvia possuía aliança com a Rússia, então, a Rússia declara guerra contra o império Austro-húngaro e fechamos um circuito vicioso em cascata, cada país europeu vai se posicionando ou de um lado ou de outro até atingirmos o limite da imbecilidade mundial. A Rússia pagou um preço alto por este ato pouco pensado e principalmente seu governante o Czar Nicolau II.

Qual foi o desempenho russo na I Guerra? Medíocre.

Os russos entraram nessa barca furada, e seus soldados sofreram racionamento de alimentação e de munição nas frentes de batalha – a situação russa seria similar à do Brasil se hoje (2017) se declarássemos guerra contra os EUA. Embora, pudéssemos ter remotas chances de sucesso o Dr Zero Cost se lembra do inesquecível e brilhante comediante sr. Chico Anysio que certa feita ao passar por esse tema enunciou uma série de vantagens em caso de guerra contra os EUA, uma das vantagens seria o perdão da dívida, outra muito forte seria os nossos salários pagos em dólares, etc..etc…desde que perdêssemos, é lógico. Provocar a guerra também seria tema simples, o nosso único porta-aviões à época adentraria a baia de Manhattan e meteria um balaço na cabeça da Estátua da Liberdade. Imagine se eles os americanos do Norte não iriam ficar furiosos! Agora, se ganhássemos, imagine enviar o sr. Tiririca para administrar a NASA?

Como funciona o padrão ouro nesta época? E a conversão das moedas, estamos no entre guerras? Foi um período calmo, ou foi pior que a II Guerra?

(Continua na próxima semana).

(Leia o artigo anterior)


Você também pode ler essa coluna diretamente no Jornal Tribuna Liberal, clicando aqui.

Dr Zero Cost

Dr Zero Cost por Ailton Vendramini, perfil realizador com formação na área de Engenharia, tendo trabalhado no Brasil, e no exterior. Atualmente acionista em algumas empresas, e foco no suporte & consultoria para lojistas, pequenas e médias empresas.

Comente

Comente

Categorias

Arquivo

veccon

vero