Jornais e Revistas

Da porteira para fora (15p) – Jornal Tribuna Liberal – 10/09/2017 – Padrão Monetário 1.

Qual o melhor padrão monetário internacional?

Escolha sua alternativa:
( ) Padrão-Ouro
( ) Padrão de Câmbio-Ouro
( ) Acordo de Bretton Woods
( ) Nenhuma das Anteriores

Quais padrões monetários foram adotados entre as nações?

OuroAntes da I Guerra Mundial a Inglaterra era a toda poderosa, e, portanto, dava as cartas. Em 1914 o mundo se utilizava do padrão-ouro controlado basicamente pelos ingleses. Era uma conexão entre as diferentes moedas de cada país e seu peso em ouro definido de forma fixa; as moedas eram, portanto, conversíveis em ouro, e o metal podia ser importado e exportado livremente. Em outras palavras se o país possuísse em circulação “x” milhões em papel moeda corrente, ele deveria ter a mesma valia em ouro, esse era o lastro. Ou se você fosse portador de uma certa quantidade de papel moeda corrente e se dirigisse ao banco e quisesse trocá-la por ouro, essa operação seria perfeitamente possível. Esse Padrão Ouro vigorou desde 1870.

Com o final da I Guerra Mundial (1918) foi imposto à Alemanha uma tremenda dívida de guerra, digamos, impagável. Um erro! Uma dívida de longo prazo imposta aos países perdedores que deveriam recorrer a empréstimos de curto prazo para ir saldando as parcelas que venciam. Ou seja, não se chuta cachorro morto, se ele por obra do divino ressuscitar com certeza irá lhe morder, e foi o que ocorreu. Muitos erros são previsíveis, o que abriu os olhos dos administradores na II Guerra Mundial, ali eles já se reuniam antes de terminar a guerra para traçar planos para o pós-guerra.

Como funcionava o padrão-ouro?

“Cada banco era obrigado a converter as notas bancárias por ele emitida em ouro (ou prata), sempre que solicitado pelo cliente. Em alguns países periféricos, o sistema não foi adotado por se achar que a presença desses países e seus problemas de financiamento desestabilizariam o sistema. Dessa forma, a circulação de papéis-moeda foi feita pelo chamado sistema de “curso forçado”. No Brasil, o sistema foi adotado imperfeitamente, durante o Segundo Reinado e no início da República Velha (Governo Campos Sales).

As “regras do jogo” prevalecentes no sistema de padrão-ouro eram simples: a quantidade de reservas de ouro do país determinava a sua oferta monetária. Se um país fosse superavitário em sua balança de pagamentos, deveria importar ouro dos países deficitários. Isso elevaria sua oferta interna de moeda, levando a uma expansão da base monetária, o que provocaria um aumento de preços, o que, no final das contas, tiraria competitividade dos seus produtos nos mercados internacionais, freando assim, novos superávits. Já se o país fosse deficitário na balança comercial, exportaria ouro, sofreria contração monetária, seus preços internos baixariam e, no final, aumentaria a competitividade de seus produtos no exterior”. O conceito por trás do padrão-ouro era a busca pelo equilíbrio, e funcionou muito bem até a I Guerra Mundial.

O que aconteceu com o padrão-ouro na I Guerra Mundial?

Pound

Após a I Guerra Munidal o câmbio oscilava drásticamente, era preciso que os governos controlassem a saída e a entrada de moeda estrangeira nos países, e por consequinte os déficits das balanças de pagamentos. É possível controlar este déficit através do aumento de impostos para produtos importados, e/ou dificultando a saída de pessoas do país, e/ou evitando gastos no exterior, e/ou proibindo pagamentos de “royalties”, e/ou evitando a remessa de juros e lucros das companhias para o exterior, etc.. Quanto mais divisas um país consegue poupar, ou acumular, mais reservas cambiais terá. No entanto, se todos os países adotarem essa estratégia de não importar, o comércio internacional irá minguar, uma maneira de crescer dentro deste cenário seria incorporando outras nações para aumentar o mercado interno, como? Outra Guerra. O Dr Zero Cost observa que a I Guerra Mundial foi um aprendizado monetário, assim, mesmo antes do término da II Guerra Mundial os dirigentes já sabiam as consequências perversas que o término da guerra traria para o sistema monetário e inteligentemente decidiram se reunir antes do término da II Guerra Mundial para criar políticas que evitassem os erros cometidos na I Guerra Mundial. Vamos retornar a este tópico.

E o ouro metal?

O ouro se tornava raro, então, criou-se um novo sistema lastreado em duas moedas, conectava-se a moeda de cada país a essas duas moedas, teoricamente as mais fortes da época, e num segundo plano somente essas duas moedas eram convertidas ao ouro – assim as variáveis estavam amarradas. Então, no pós-guerra sacramentou-se na Conferência Internacional de Gênova – 1922 e se sancionou o sistema do padrão de câmbio-ouro (gold exchange standard).

Essas duas moedas fundamentais, sim deveriam ser conversíveis. As duas moedas eram: a libra esterlina e o dólar, e o ouro deixou de circular, tornou-se basicamente uma reserva juntamente com as reservas cambiais. Esse sistema não é tão fácil de ser operacionalizado, pois, estamos sujeitos a dois bancos centrais e distorções de preços começam a brotar. O dólar ganha espaço em importância em relação a libra, ou seja, os EUA se desenvolvem mais rapidamente. A hegemonia da Inglaterra como a potência mundial número 1 começa a declinar, enfim, tudo que sobe um dia cairá, incluindo os impérios. Aqui no Brasil a esperança é que já descemos (2017), atingimos o fundo do poço, portanto, esperamos pela subida! Todavia, não basta olhar para a queda da inflação, a queda dos juros, ou a retomada do emprego, é preciso definir quanto o País irá investir em porcentual do PIB, e não podemos ficar abaixo de 20%.

O período de pós I Guerra Mundial foi fértil para a indústria de um modo geral até o crash da Bolsa de Nova York, Bernad Gazier, escreve: “a produção anual de automóveis (EUA) passa de 1,9 milhões de veículos em 1919 para 5,6 milhões de veículos em 1929, e a expansão do petróleo, da borracha e do rádio é tão intensa quanto. Abertura de novas possibilidades de consumo, boom da construção: somente a agricultura continua, em todo o mundo, à margem da prosperidade”.

Mas com o crash de 1929 que pode ser atribuído a diversos fatores, as economias dos países tentam se defender, a receita é aquela: criar barreiras alfandegárias e comprar o mínimo possível, todos se empenhando nesta direção cava-se o próprio buraco, em 1931 o padrão câmbio-ouro é destruído. Estamos no prenúncio de uma nova guerra mundial.

E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? E agora, você? …Mario de Andrade. Para onde vamos?

1929, a Crise?

Diante da crise de 1929, e podemos extrapolar para a crise de hoje (2017) no Brasil chega-se num momento que os preços caem tanto que aqueles rentista com os recursos parados nos bancos, concluem: Péra aí, mas isto está muito barato! Vide os chineses comprando o Brasil (2017), e o ciclo começa a se inverter sem que se ingira uma poção mágica, ou se pronuncie as palavras mágicas: Abra – Cadabra. É como uma epidemia, que vem e de repente se vai, sem que os técnicos tenham descoberto a vacina. Sim, faltou a destruição do padrão de câmbio-ouro, faltou Bretton Woods, faltou Nenhuma das Anteriores – talvez – a mais importante.

(Continua na próxima semana)

(Leia o artigo anterior)


Você também pode ler essa coluna diretamente no Jornal Tribuna Liberal, clicando aqui.

Dr Zero Cost

Dr Zero Cost por Ailton Vendramini, perfil realizador com formação na área de Engenharia, tendo trabalhado no Brasil, e no exterior. Atualmente acionista em algumas empresas, e foco no suporte & consultoria para lojistas, pequenas e médias empresas.

Comente

Comente

Categorias

Arquivo

veccon

vero