Insights

A Dependência da Independência em Novo Mundo – 07 de setembro

Em 1822 D. Pedro II declarou a independência do Brasil, e segundo o historiador Boris Fausto, inaugurou a dívida externa brasileira. Por que? Portugal não veio buscar seu filho rebelde, nem tão pouco optou pelas armas, somente exigiu uma indenização. Como não tínhamos, a Inglaterra pagou Portugal e nós ficamos devendo para os ingleses. O quadro abaixo foi pintado em 1888, ou seja, longe da realidade daquele dia.

Pintor Pedro Américo, termina o quadro em Florença Itália - 1888
Ilustração – Independência do Brasil – Pintor: Pedro Américo

Daquela memorável subida da Serra do Mar no lombo de uma mula para o famoso Grito do Ipiranga que não há testemunhos de o terem ouvido, até porque nosso Rei se arrastava por um problema de diarreia, nossa dependência do exterior e gente que faz só aumentou.

Passamos muitos perrengues, dois dos mais importantes, um em 1973 com a 1ª crise do petróleo, e como não nos planejamos, passamos outro sufoco com a 2ª crise em 1979, e viemos a nos recuperar em 1994 graças a dependência do plano Brady.

Aqueles que executam, erram, executam novamente, e vendem para aqueles que aguardam: os Hardys:  OH! céus, OH! vida, OH! Azar – assim, fomos nos assentando no terceiro mundo e cá estamos em 2017, com algumas ilhotas de excelência. Quais? Os Gugas, que despontam por esforço próprio numa missão hercúlea e conseguem mudar  algumas pecinhas e sobressaem, Ozires Silva, Anália Franco, Chiquinha Gonzaga, Barão de Mauá, Antonio Ermírio, …. essa lista não vai longe!

Aqui no mundo dos Hardys,

  • Dependemos fundamentalmente dos cenários externos, se eles se recuperam e crescem, sempre pegamos uma carona, afinal é melhor ter primo rico do que miserável.
  • Em 2017 a inflação segue controlada, afinal se formos até o Xingu e perguntarmos qual a inflação por lá, deve ser zero. Estamos no mês da independência com projeção de inflação de 3,4% para este ano, 4,2 % para 2018, 4,25% para 2019 e 4,00% para 2020.
  • Os juros para 2017 estão projetados para fechar em 7,25% e devem terminar neste patamar em 2018.
  • Os investimentos em relação ao PIB, seguem agonizantes, algo como 15,5 % do PIB.
  • Lógico que os cenários podem piorar, pois dependem dos dirigentes brasileiros, aqueles que miram no próprio umbigo e poucos estão interessados em discutir os temas importantes como medidas creditícias e reformas do ponto de vista técnico. Esses fatores já são o bastante para o COPOM não arriscar nenhuma previsão para a próxima reunião, ou seja, a flexibilização da economia poderá retroceder.

OH vida!


Veja outros Pensamentos no nosso blog.

Dr Zero Cost

Dr Zero Cost por Ailton Vendramini, perfil realizador com formação na área de Engenharia, tendo trabalhado no Brasil, e no exterior. Atualmente acionista em algumas empresas, e foco no suporte & consultoria para lojistas, pequenas e médias empresas.

Comente

Comente

Categorias

Arquivo

veccon

vero